Universidade do Oeste Paulista - 45 Anos

Área do Aluno/Professor

Área do
Aluno/Professor

INFORME CORRETAMENTE SEU RA/MATRÍCULA

ENCONTRE SEU CURSO
FAÇA UMA BUSCA NO SITE
Sua opinião é muito importante. Avalie a página de notícias.
13/11/2017

Dia de Campo fomenta cultura da batata-doce na região

Evento gratuito promovido pelo curso de Agronegócio da Unoeste em parceria com o Gmepe, Sedepp e Apta foi realizado no sábado (13)

Foto: Gabriela Oliveira Dia de Campo fomenta cultura da batata-doce na região
Presidente Prudente está entre as maiores produtoras de batata-doce do Estado e do país

Marrom glacê, batata em pó, pão, chips, batata palha, cereal, nhoque, farinha, shake e tapioca são algumas das derivações da batata-doce. Presidente Prudente está entre as maiores produtoras da cultura nos âmbitos estadual e nacional e, para incentivar ainda mais o setor, realizou-se no sábado (11) um dia de campo sobre a batata-doce. Promovida pelo curso de Agronegócio da Unoeste em parceria com o Grupo Multidisciplinar de Estudo, Pesquisa e Extensão (Gmepe) da universidade, Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico de Presidente Prudente (Sedepp) e o Polo Regional Alta Sorocabana da Agência Paulista de Tecnologia em Agronegócios (Apta), a iniciativa gratuita ocorreu no Centro Zootécnico, campus II da instituição.

Por meio de quatro estações, produtores e acadêmicos do Agronegócio visualizaram informações ligadas aos números econômicos da cultura no Oeste Paulista e no Brasil; as mudas e tratos culturais; além dos dados econômicos relacionados à comercialização e às oportunidades de transformação da batata-doce em diversos produtos de interesse da sociedade. “Esse evento marca o encerramento da 7ª edição da Semana do Agronegócio da Unoeste. Para tanto, utilizamos a estrutura da instituição e o conhecimento dos acadêmicos adquiridos em sala de aula para produzir um evento para o homem do campo”, comenta José Luis de Lima Astolphi, coordenador da graduação.

João Carlos Marcondes, secretário da Sedepp, avalia que essa iniciativa vem ao encontro das ações realizadas pelo município no sentido de oferecer suporte e subsídios aos produtores de batata-doce. “É relevante que as gerações futuras visualizem que o agronegócio é altamente sustentável. Para isso, temos que promover atividades que valorizem o produtor rural e, sobretudo, aquele que está ligado à batata-doce, já que Presidente Prudente está entre as maiores produtoras do Estado e do país”, diz. Acrescenta que “estamos em um grande momento de criação de mecanismos e leis direcionados à cultura por meio do apoio das três esferas governamentais (federal, estadual e municipal) e, para que isso continue, a universidade é de extrema importância, pois é em ambientes como esse que nascem muitas tecnologias que agregam às práticas agrícolas”, conclui.

Amarílis Beraldo Rós, pesquisadora e diretora técnica de divisão do Polo Regional Alta Sorocabana da Apta, confirma a importância da Unoeste, que utiliza a estrutura física e pedagógica para a difusão de tecnologias em prol do homem do campo. “A Apta compartilha desse mesmo objetivo e, por isso, integra esse dia de campo que pode contribuir com a melhoria da produtividade e fortalecimento da cultura da batata-doce”, diz.

Foto: Gabriela Oliveira Troca de experiências e aquisição de novos conhecimentos marcou dia de campo com produtores e acadêmicos
Troca de experiências e aquisição de novos conhecimentos marcou dia de campo com produtores e acadêmicos
Produtor de batata-doce há 25 anos, Luiz Rocha participou do evento nesse sábado (11). “Acho importante integrar ações que ofereçam informações sobre o setor e conhecimentos que possam contribuir com a nossa produção em termos de quantidade ou qualidade”. Para o acadêmico do 6º termo de Agronegócio, José Eduardo Brigatto, 30, esse tipo de atividade possibilita um contato mais estreito com os produtores e com pesquisadores da área. No Dia de Campo, o universitário expôs sobre a empresa que trabalha que lida com a importação e exportação de diversas culturas, dentre elas, a batata-doce. “Todo o conhecimento que tenho adquirido no decorrer da graduação me ajudou a desenvolver estratégias de divulgação sobre os nossos produtos. Com essas práticas diferenciadas de gestão, aumentamos nossos lucros em 30%, por meio da conquista de novos mercados em Estados como Amazonas e Acre, além de outros países como a Argentina”.

7ª Semana do Agronegócio – Outro destaque da programação do evento foi a palestra sobre a importância da gestão administrativa no agronegócio brasileiro, apresentada pelo consultor agropecuário Junior Paulossi. Ele abordou toda a parte de coordenação de uma propriedade que atua na pecuária, tanto de pessoas como do rebanho do gado, bem como a parte financeira. “É fundamental que esses futuros profissionais reconheçam a importância do trabalho deles no agronegócio. Com o bate-papo, eles conseguem ver como ocorre na prática. Uma propriedade que conta com um gestor tem mais acertos nas tomadas de decisão, pois quando temos os números, conseguimos saber o momento para decidir algo e de que forma fazer isso. A consequência é o impacto na produtividade, principalmente”, afirma o consultor, que é tecnólogo em agronegócio, bacharel em engenharia agronômica, pós-graduado pela Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiros” (Esalq/USP) e, atualmente, cursa a especialização em Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF) na Unoeste.

O palestrante também destacou a necessidade de o gestor atuar em parceria com outros profissionais, como o médico veterinário, o zootecnista e o engenheiro agrônomo. “O ideal seria que todas as propriedades tivessem todos esses profissionais, mas sabemos que não é a realidade da maioria em razão da inviabilidade econômica, mas, de qualquer forma, o gestor precisa ter o apoio deles”. Renan Luiz de Souza Santos, do 4º termo, integrou a comissão organizadora do evento. Ele conta que os temas das palestras foram escolhidos de acordo com o cenário atual do agronegócio, de forma que pudessem agregar diferentes áreas para ampliar a visão dos alunos em relação à profissão. “A jornada é uma necessidade extra dentro de um curso, pois abrimos nossa visão do que aprendemos em sala de aula. Conseguimos ter uma perspectiva de carreira, conhecer as diversas possibilidades de trabalho e, assim, buscarmos estágio na área pretendida”.

Notícia disponibilizada pela Assessoria de Imprensa da Unoeste


TODAS AS NOTÍCIAS
Alguma mensagem