CAMPUS:
Telefone 0800 771 5533
Você está em: Notícias

Estudo avalia efeitos probióticos sobre infecção por fungo

Resultado satisfatório é obtido em experimento com ratos submetidos à quimioterapia e expostos à Candida


email facebook twitter whatsapp

Foto: João Paulo Barbosa Estudo avalia efeitos probióticos sobre infecção por fungo
Eder Dolens: autor do estudo com perspectiva de um dia beneficiar pessoas

A aplicação de quimioterapia no tratamento do câncer reduz a imunidade do paciente que, diante do mecanismo de defesa do organismo enfraquecido, pode ser acometido por outras doenças classificadas como oportunistas. A infecção causada por fungo é uma delas e tem como ser prevenida ou controlada por probióticos, que são microrganismos vivos. Condição comprovada em estudo feito na Unoeste.
 
O conjunto de fatores em questão motivou a realização de modelo experimental no qual o efeito da administração de probióticos aumentou em 50% a quantidade de mastócito (célula de defesa do organismo) atuando no controle da inflamação causada pelo fungo Candida albicans, o mais prevalente e violento em pacientes acometidos por câncer bucal, o 6º de maior incidência no mundo.
 
O estudo foi realizado pelo cirurgião-dentista Éder da Silva Dolens, com a orientação da Dra. Fabiana Gouveia Straioto.  O experimento utilizou probióticos Bifidobacterium animalis subsp. lactis HN019 em ratos expostos ao fungo e  aplicação de quimioterapia com 5-fluorouracil (5-FU). O trabalho científico foi desenvolvido no Biotério de Experimentação, no campus II da universidade.
 
Produzida com os dados do experimento e embasada em ampla literatura científica, a dissertação do estudo teve sua defesa pública feita na manhã desta segunda-feira (18), como marco histórico de ser a primeira banca do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu de Odontologia, implantado em março de 2017 e resultado de trabalho feito dois anos antes para obter autorização do Ministério da Educação.
 
Foto: João Paulo Barbosa Eder com os doutores Fabiana, Gisele, Monteiro e Graziela
Eder com os doutores Fabiana, Gisele, Monteiro e Graziela

“A realização desta primeira defesa é um momento importante para o programa e de coroação de um trabalho que fizemos em equipe desde a concepção do mestrado em 2015”, afirma a coordenadora Dra. Graziela Garrido Mori Panucci. Comenta que estão sendo desenvolvidos excelentes trabalhos, com potenciais de publicação em periódicos científicos nacionais e internacionais.
 
Outros dois aspectos de importância, entre vários proporcionados pelo programa, são o da inter-relação com pesquisadores de programas da própria instituição e de instituições congêneres, privadas e públicas; e o da formação continuada de professores da casa, como é o caso de Dolens que leciona na graduação em Odontologia, da qual é egresso e na qual se interessou pela pesquisa ao fazer iniciação científica.
 
A banca contou com os avaliadores doutores Douglas Roberto Monteiro, que atua no programa, e Gisele Alborghetti Nai, também da Unoeste, mas na condição de convidada externa junto ao Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ciência Animal, com a oferta de mestrado e de doutorado. Ambos elogiaram o estudo e estimularam o autor a buscar publicações de alto impacto.

Notícia disponibilizada pela Assessoria de Imprensa da Unoeste

Alguma mensagem