CAMPUS:
Telefone 0800 771 5533
Você está em: Notícias

Alunos participam de reunião sobre mortalidade infantil

Baixada Santista teve aumento no número de óbitos de nascidos menores de 1 ano


email facebook twitter whatsapp

Foto: Cedida Alunos participam de reunião sobre mortalidade infantil
Estudantes de Medicina ao lado do prefeito de Guarujá, Válter Suman, e da coordenadora de saúde da mulher do município, Adriana Machado


Com o objetivo de participar da discussão sobre o aumento dos índices de mortalidade infantil na Baixada Santista, os acadêmicos do curso de Medicina da Unoeste Guarujá participaram, nessa segunda-feira (2), de uma reunião do Comitê de Mortalidade Materno Infantil, da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) do município. Na ocasião, que contou com a presença do prefeito Válter Suman, foram abordados os últimos dados sobre a mortalidade infantil, que voltou a crescer na região.
 
De acordo com o professor e coordenador do Programa de Aproximação Progressiva à Prática (Papp), Everton Lopes Rodrigues, responsável pela atividade, as nove cidades que compõem a Baixada Santista juntas registraram 16 óbitos para cada mil nascidos vivos menores de 1 ano. Os dados, contabilizados até o dia 23 de agosto, representam uma proporção superior a de 2018, que era de 14 por mil.
 
“O objetivo principal da participação dos acadêmicos nesta reunião foi proporcionar a vivência e a ampliação do conhecimento na rede de atenção às mulheres e empoderar esses estudantes quanto à importância do futuro médico na atuação do comitê”, salienta o professor.
 
Dentre as cidades, Guarujá teve a maior quantidade absoluta de mortes com 58 casos em 2.757 nascimentos, uma proporção de 21 óbitos por mil. “A comissão tem como objetivo a elucidação das circunstâncias da ocorrência dos óbitos maternos, fetais e neonatais e identificar melhorias na qualidade da assistência à saúde para a redução desses números", explica.
 
O acadêmico do 2º termo Rangel Gandra participou da reunião. Ele conta que a atividade contribuiu para esclarecer sobre a situação epidemiológica da Baixada Santista, principalmente em Guarujá. “Todos Saíram satisfeitos e eu, enquanto aluno, fico muito grato pela oportunidade de conhecer dados e condições que necessitarei lidar ao longo e após a graduação”, salienta.

Notícia disponibilizada pela Assessoria de Imprensa da Unoeste

Alguma mensagem