CAMPUS:
Telefone 0800 771 5533
Você está em: Graduação | Química - Bacharelado | Pesquisa Científica

Química

Bacharelado | 8 semestres letivos | Noturno

Pesquisa Científica


Buscar projeto por

Resumo:
A construção do coco é formada por uma epiderme lisa denominada epicarpo, que geralmente tem coloração verde ou amarelada. Um pouco mais internamente é encontrado o mesocarpo, que corresponde a camada fibrosa do mesmo. O endocarpo é a camada mais interna que contempla uma camada pétrea que envolve toda a parte comestível e a água que se encontra no coco. Os resíduos (casca), não são reaproveitados pelas indústrias pela falta de conhecimento de suas propriedades e de beneficiamento de fibras. O carvão ativado é gerado com base na desidratação da matéria prima, carbonização e ativação. Seu poder de adsorção será derivado do material utilizado para desenvolve-lo, assim como o método utilizado. A capacidade de adsorção é produzida por oxidação do material carbonáceo, que desenvolve uma rede porosa, que irá reter a substância a ser adsorvida. O carvão ativado vem sendo comumente utilizado para adsorção de substâncias, principalmente metais tóxicos. Uma de suas aplicações diz respeito ao tratamento de água, onde a mesma se encontra com alto teor de cobre e chumbo que acarreta grandes transtornos aos seres vivos. O presente projeto pretende estudar a capacidade adsortiva de carvão ativado produzido a partir do mesocarpo e endocarpo do coco. Os metais testados na adsorção serão cádmio, chumbo e cromo devido aos malefícios que ambos trazem a saúde humana e animal e a contaminação ambiental. As amostras de endocarpo e mesocarpo do coco serão coletadas na cidade de Presidente Prudente/SP e seccionadas em partes menores. Após higienização, serão levadas ao forno mufla para carbonização. Após o processo de carbonização serão ativadas com ácido fosfórico, hidróxido de potássio e acetato de sódio. Os metais testados para a adsorção com o carvão ativado produzido, serão provenientes de soluções padrão com concentração conhecida. Após o contato da solução de metal com o carvão ativado, a solução será filtrada e analisada através de espectroscopia de absorção atômica por chama (FAAS). A partir das leituras será possível determinar a eficiência do processo de adsorção.

Protocolo: 5121 Início e Fim: Mês/Ano: 1/2019 - 12/2019 Programa: PEIC - Programa Especial de Iniciação Científica
Aluno(s): MURILO CARVALHO DE OLIVEIRA
Professor(es): JAQUELINE NASCIMENTO DA SILVA

Resumo:
Com o rápido desenvolvimento das indústrias de bebidas energéticas, observado no Brasil com uma crescente produção ao longo dos últimos anos, torna-se necessário uma atenção para o consumo exagerado da cafeína presente nestes produtos, que muitas vezes têm como alvo um público jovem. Essa substância estimula o sistema nervoso central e possui variados efeitos positivos e negativos, estando presente também em outros produtos, como os cafés e chás. Os objetivos deste trabalho são quantificar a cafeína em amostras de bebidas energéticas e comparar os resultados com o limite imposto pela legislação. A metodologia aplicada baseia-se na extração por clorofórmio em meio alcalino e leitura de absorbância no equipamento de espectrofotometria na região do ultravioleta. A curva de calibração, obtida a partir das soluções-padrão preparadas, fornece a equação da reta que relaciona absorbância com teor de cafeína. Ao total, serão analisadas em triplicata 5 amostras de diferentes marcas e os resultados de teor serão tratados com média aritmética, desvio padrão e a posterior comparação, sendo demonstrados na forma de tabela e gráfico.

Protocolo: 5080 Início e Fim: Mês/Ano: 1/2019 - 12/2019 Programa: PEIC - Programa Especial de Iniciação Científica
Aluno(s): LUAN DA SILVA PIRES
Professor(es): VINICIUS MARQUES GOMES

Resumo:
A utilização de métodos para o embelezamento dos fios de cabelo acontece desde 4000 a.C. Esses procedimentos estéticos, contribuem significativamente para a economia brasileira e mundial. As técnicas de coloração atual são diferentes das utilizadas a milhões de anos, que usavam pentes mergulhados em vinagre no processo de colorir cabelos grisalhos. Atualmente, existe uma classificação para os tipos de tintas capilares, sendo elas: permanentes, semipermanentes e temporárias. As mais usadas são as tintas permanentes, que possuem uma variedade de tonalidades dentro da faixa de coloração capilar. Esse tipo de tinta possui efeitos tóxicos a saúde humana, devido à concentração de metais tóxicos em sua composição, que não devem ultrapassar o limite máximo permitido pela ANVISA. Outro produto mundialmente utilizado é o alisante capilar, que surgiu na década de 50, apresentando soda cáustica (hidróxido de sódio) como base de sua composição, quebrando facilmente as ligações de dissulfeto presentes na queratina do cabelo e modificando o fio. Os alisantes capilares possuem uma variedade de substancias em sua composição. O Formaldeído é usado em algumas formulações de produtos cosméticos, mas segundo a ANVISA, somente pode ser utilizado como agente conservante com limite máximo de 0,2 e como endurecedor de unha com limite de 5. Apesar da ANVISA determinar o limite máximo permitido de formaldeído, algumas marcas de produtos fazem o mascaramento do odor característico dessa substancias com essências dos variados tipos aumentando o risco à saúde dos consumidores. Desta maneira, através de análise por espectrofotometria, serão analisadas três marcas de alisantes e tinturas capilares, com o objetivo de avaliar a concentração deste analito e comparar com as informações contidas nos rótulos e com a legislação vigente.

Protocolo: 5081 Início e Fim: Mês/Ano: 1/2019 - 12/2019 Programa: PEIC - Programa Especial de Iniciação Científica
Aluno(s): FRANCIELLY DA SILVA MORAIS FERREIRA
Professor(es): VINICIUS MARQUES GOMES

Resumo:
A ação humana está relacionada cada vez mais com a elevação de metais tóxicos nos compartimentos ambientais, provenientes de atividades como mineração e descarte e efluentes. O Processo com um biossorvente para tratamento de efluentes é composto por interações eletrostáticas, que ocorre entre duas moléculas, exibindo afinidade por determinado metal. Aplicações deste método têm demonstrado eficácia, baixo custo e possibilidade de utilização de biomassa que pode ser reutilizada no processo e os metais removidos recuperados. O meio mais usual de contaminação por metais pesados é através da descarga de efluentes não tratados em rios ou lagos. Através de um estudo poderá ser obtido dados para analisar a presença de metais pesados, e a eficácia do biossorvente utilizado extraído da casca da banana verde e madura, utilizando espectrometria de absorção atômica em chama (FAAS) para determinação dos metais.

Protocolo: 5097 Início e Fim: Mês/Ano: 1/2019 - 12/2019 Programa: PEIC - Programa Especial de Iniciação Científica
Aluno(s): RHALNY ANTONIO AGUILAR CARVALHO
FERNANDA BIZINOTTI DOS SANTOS
Professor(es): VINICIUS MARQUES GOMES
MAIRA RODRIGUES ULIANA

Resumo:
Os metais tóxicos nos últimos anos têm se tornado um problema ambiental devido a contaminação de solos e corpos d´água, vindos principalmente de efluentes industriais sem tratamento ou com tratamento ineficiente. Um dos processos de tratamento de efluentes com a presença de íons metálicos que recebeu uma atenção especial por pesquisadores é a biossorção, utilizando microrganismos para a captura desse metal em meio fluido. A Saccharomyces cerevisiae, principal levedura utilizada em processos fermentativos, é um desses microrganismos estudados, onde, utilizando sua biomassa esgotada do processo de fermentação, é exposta a soluções contendo íons metálicos e analisado a adsorção efetiva de tais componentes. O presente estudo se baseia no fato da ausência de pesquisas utilizando efluente real e condições de exposição da biomassa aos íons metálicos utilizando técnicas existentes no tratamento de efluentes. Tanto as amostras de controle e amostras reais, após o contato com a levedura, serão analisadas por Espectrômetro de Absorção Atômica de Chama (FAAS) e os resultados serão comparados entre si utilizando gráficos e tabelas.

Protocolo: 5083 Início e Fim: Mês/Ano: 1/2019 - 11/2019 Programa: PEIC - Programa Especial de Iniciação Científica
Aluno(s): LEONARDO PIANI SILVERIO PAES
Professor(es): VINICIUS MARQUES GOMES
MAIRA RODRIGUES ULIANA

Resumo:
Apesar da tamanha popularidade, os refrigerantes são alvos de diversos debates e críticas na mídia e na comunidade acadêmica por sua suposta capacidade de descalcificar os ossos quando ingerida, além de causar outros danos à saúde. O ácido fosfórico, de fórmula molecular H3PO4 é usado na indústria para acidificar alimentos como refrigerantes e xaropes. O ácido fosfórico se consumido em excesso pode provocar alguns malefícios à saúde, como, por exemplo, interferir na absorção e utilização do cálcio pelos ossos, prejudicando sua formação e levando futuramente a uma osteoporose. Os sais de cálcio são excretados no sangue, logo podem se acumular nos rins sob a forma de pedras. Por isso a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), estabelece através da legislação um limite de 0,06 para a concentração desse aditivo em tais bebidas. Desta forma, este trabalho tem como objetivo determinar a concentração de ácido fosfórico em diferentes amostras de refrigerantes adquiridas em supermercados do município de Martinópolis e comparar com as especificações dos rótulos e das legislações vigentes.

Protocolo: 5084 Início e Fim: Mês/Ano: 1/2019 - 12/2019 Programa: PEIC - Programa Especial de Iniciação Científica
Aluno(s): ADNA TAMIRES DA SILVA LIMA
Professor(es): VINICIUS MARQUES GOMES

Resumo:
A utilização da água no meio industrial cresceu consideravelmente ao logo da história, sendo aproveitada para as mais