Você está em: Unoeste » PRPPG » Notícia

Sepse é a doença que mais mata em UTIs do Brasil

A cada segundo, uma pessoa no mundo morre por causa da sepse; essas e outras informações foram apresentadas na abertura da 3ª Semana da Sepse

Gabriela Oliveira
Dra. Renata Pietro, presidente do Coren-SP ministrou palestra de abertura ligada a sepse

Mais conhecida como infecção generalizada, a sepse é um conjunto de manifestações graves em todo o organismo causadas por uma infecção. De acordo com o Instituto Latino-Americano de Sepse (ILA), essa doença é a principal causa de morte nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). “A cada segundo, alguém morre por sepse no mundo. Estima-se que, no Brasil, cerca de 670 mil vem a óbito todos os anos, por conta dessa doença que é mais letal do que o infarto e o câncer de mama”, pontua a Dra. Renata Pietro, presidente do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP). Tal afirmação foi discutida nesta segunda-feira (3), durante a palestra de abertura da 3ª Semana da Sepse, promovida pelo Hospital Regional de Presidente Prudente (HR) em parceria com a Unoeste, por meio do Programa de Residência Multiprofissional em Terapia Intensiva.
 
Indicadores do ILA revelam ainda, que o Brasil tem uma das maiores taxas de letalidade por sepse no mundo, chegando a 65% dos casos. Outra estatística relevante é que essa síndrome é desconhecida por nove de cada dez pessoas. “A sepse é tempo-dependente, ou seja, quanto antes for realizado o tratamento, melhor será o prognóstico do paciente”, explica Renata. Para ela, quando se fala de sepse, é preciso pecar por excesso, já que essa doença possui altas taxas de incidência e prevalência.
 
“Sabemos que a sepse está associada ao sistema imunológico, então, precisamos esclarecer a população de que se tiver com uma gripe muito forte (principalmente os idosos), febre, taquicardia ou batedeira é preciso procurar uma unidade de saúde imediatamente, já que os cuidados precoces reduzem a mortalidade”.
 
Diretora do núcleo de terapia intensiva do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo, Renata pontua que a sepse é considerada uma doença muito subnotificada. “Geralmente, o que se vê no atestado de óbito são outras disfunções que não a sepse. Sabemos que o reconhecimento dessa patologia ainda é precário. Sendo assim, é necessário o desenvolvimento de ações que conscientizem a população e os profissionais da saúde”.
 
Acrescenta também, a relevância do trabalho multidisciplinar no reconhecimento e no tratamento da sepse. “Eu acredito muito que a gente precisa evoluir como um time, ninguém sozinho consegue fazer nada. Devemos atuar em equipe a fim de entender ainda mais sobre a sepse, para tentar reduzir principalmente, essa taxa de mortalidade agressiva que vemos em nosso país”.
 
3ª Semana da Sepse – Ana Maria Silva Camargo, coordenadora do Programa de Residência Multiprofissional em Terapia Intensiva e docente da Unoeste integra a comissão organizadora do evento. Ela comenta que as atividades que iniciaram nesta segunda-feira (3), se estendem até o dia 13 de setembro, data em que é celebrada o Dia Mundial da Sepse. “Programamos cerca de dez atividades, entre palestras, minicursos e oficinas ligadas ao tema”, diz.
 
A professora expõe que a iniciativa é um trabalho multiprofissional que conta com diversas parcerias como a do Coren-SP e o envolvimento dos cursos de Enfermagem, Biomedicina, Fisioterapia, Farmácia e Nutrição da Unoeste por meio das ligas de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (Liras) e Multiprofissional em Terapia Intensiva (Limti). “Contabilizamos mais de 500 inscritos, dentre acadêmicos e profissionais da saúde. É importante que todos esses participantes possam entender a complexidade e todo o mecanismo fisiopatológico dessa doença para que, a partir daí, possam contribuir com medidas preventivas a fim de realizar o diagnóstico e o tratamento precoce”.

[imagem_centro] 
Plateia – Maikiane Aparecida Nascimento cursa o 8º termo de Biomedicina na universidade. Ela comenta que a seriedade do assunto motivou a sua participação nesse evento. “Quando iniciei a graduação tracei o objetivo de explorar todas as oportunidades proporcionadas pela instituição e, por isso, estou aqui”.
 
No 6º termo de Enfermagem, Milena Canales Silva esteve na palestra de abertura com as amigas de turma Larissa Cavalcanti e Jhenifer Munis. “Atividades como essa agregam conhecimentos e podem contribuir com a minha futura atuação”, revela Milena.
 
Para Yuri Ferreira Vicentini do 8º termo de Medicina Veterinária a sepse é assunto de interesse, já que os animais também podem ter essa doença. “A base fisiológica da sepse é praticamente a mesma. Por isso, visualizei nesse evento uma excelente oportunidade de conhecer mais sobre essa patologia”.
 
Renato Dassaev Jorge Caetano é enfermeiro coordenador da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Coronariana da Santa Casa de Misericórdia de Presidente Prudente. Egresso da turma de Enfermagem de 2007 da Unoeste, atualmente, cursa especialização de Enfermagem em UTI na universidade. “Acredito que toda forma de atualização e informação sobre a sepse são importantes e podem contribuir para o tratamento dessa doença e, consequentemente, na redução do número de óbitos ocasionados por ela”, encerra.

Ultimas Notícias