CAMPUS:
0800 771 5533
Aprender Unoeste
Você está em: Notícias

No Mestrado em Meio Ambiente ocorre 1ª defesa internacional

Estudo sobre tuberculose será utilizado pelo Ministério da Saúde em Moçambique, no continente Africano


email facebook twitter whatsapp Linkedin

Foto: João Paulo Barbosa No Mestrado em Meio Ambiente ocorre 1ª defesa internacional
António Chigogoro Titosse: 1º defesa internacional do mestrado em meio ambiente e desenvolvimento regional

O Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional, ofertado pela Unoeste, comemora o fato histórico da 1ª defesa pública de dissertação produzida por um estrangeiro, o moçambicano António Chigogoro Titosse. Fato ocorrido nesta segunda-feira (25), com a pesquisa sobre distribuição espaço-temporal e demográficos dos casos notificados de tuberculose em Maputo, de 2011 a 2016.
 
O estudo será utilizado pelo Ministério da Saúde de Moçambique, no qual Titosse atua como técnico. O conhecimento do padrão como ocorre a distribuição da doença é visto como essencial para a melhoria de políticas públicas voltadas para o controle dessa doença endêmica, que consiste em uma das dez maiores causas de morte no mundo e, em especial, o continente Africano.
 
A África apresenta os maiores coeficientes de incidência, prevalência e mortalidade por tuberculose e depara-se com um problema crescente de tuberculose multirresistente, cujo tratamento é bastante dispendioso. Moçambique faz parte desta estatística e sua capital, Maputo, é uma das cidades que apresenta altos índices da doença que é fortemente associada à epidemia do vírus da Aids. 
 
Diante de tal situação, o objetivo da pesquisa foi avaliar os padrões da distribuição espaço-temporal de casos notificados de tuberculose em Maputo. Para isso, analisou-se a taxa de incidência média anual e o número de casos de notificação da doença. Mediante os procedimentos científicos adotados, pelo modelo de regressão linear de Poisson, foi possível decompor as séries temporais em componentes sazonais e prever a tendência de notificação dos casos de tuberculose.
 
A taxa de incidência média anual de notificação da doença em Maputo foi de 527,8 casos por 100 mil habitantes, sendo o diagnóstico clínico mais evidente entre os casos pulmonares. Constatou-se que a notificação variou tanto por distritos quanto por estação do ano. A maior taxa de incidência foi encontrada no distrito de Kamphumo (909,8 casos a cada 100 mil habitantes), e os casos de notificação mostraram tendência de se concentrar no primeiro trimestre do ano.
Foto: João Paulo Barbosa Titosse e a Dra. Alba durante a defesa pública do estudo internacional
Titosse e a Dra. Alba durante a defesa pública do estudo internacional

A notificação dos casos de tuberculose por faixa etária mostrou que no grupo maior, de 15 anos de idade, há uma tendência de decrescimento. Nenhuma associação foi encontrada entre temperatura média atmosférica e as taxas de incidências médias de tuberculose no período de análise. Então, ficou constatado que a tuberculose é um sério problema de saúde pública em Maputo, a capital do país de 30 milhões de habitantes.
 
O trabalho foi orientado pela Dra. Alba Regina Azevedo Arana, coordenadora do programa que oferece mestrado e doutorado. Realizada por videoconferência no Teatro César Cava, a banca de avaliação, que aprovou o estudo, contou com o Dr. Wildo Navegantes de Araújo, da Universidade de Brasília (UnB) e o Dr. Diego Luís Costa, do National Institute of Allergy and Infectious Diseases (NIH) Bethesda, dos Estados Unidos.
 
“O estudo do Titosse esteve ligado ao Prointer Saúde [Programa de Pesquisa Interdisciplinar] e foi muito importante para o nosso programa de pós-graduação stricto sensu, no qual ele fez o primeiro trabalho internacional. Tivemos ainda a oportunidade de acrescentar mais valor a esse estudo, ao buscarmos uma banca com especialistas internacionais. Estamos contribuindo no processo de internacionalização da Unoeste”, disse a coordenadora.

Notícia disponibilizada pela Assessoria de Imprensa da Unoeste

Alguma mensagem