Universidade do Oeste Paulista

Área do Aluno/Professor

Área do
Aluno/Professor

INFORME CORRETAMENTE SEU RA/MATRÍCULA

ENCONTRE SEU CURSO
FAÇA UMA BUSCA NO SITE
Sua opinião é muito importante. Avalie a página de notícias.
06/09/2017

100 anos de Prudente: Unoeste e a evolução no ensino

Especialistas explicam quais foram as principais mudanças de comportamento e no processo ensino-aprendizagem nesses 45 anos de Unoeste 

Foto: Gustavo Justino 100 anos de Prudente: Unoeste e a evolução no ensino
Novas metodologias que se utilizam de tecnologias são importantes para o modelo atual de ensino, de acordo com especialistas

Em 45 anos muita coisa mudou na vida dos prudentinos, no comportamento da população, na economia e até mesmo no ensino superior com a evolução da tecnologia e com as novas tendências em metodologia. Prestes a completar seu 45º aniversário, a Unoeste é reflexo de toda essa mudança. De 1972, quando a universidade inaugurou suas primeiras graduações, até hoje, em 2017, é possível fazer esse comparativo levando em conta as histórias da instituição e da cidade em conjunto.
 
De acordo com o professor da Unoeste e consultor em Educação Escolar e Filosofia da Educação, Wagner Aparecido Caetano, a década de 1970 foi um período propício para o aparecimento de instituições educativas. As leis sobre educação começaram a impor ao país a necessidade de qualificação e formação, isso para atender o que se esperava: o milagre econômico. “Nesse contexto, o ensino superior chega não só para a profissionalização de sujeitos sociais, como também para elaboração de uma nova mentalidade no extremo oeste do Estado. Dividindo espaço com outras instituições educativas, a Unoeste se destaca, devido à estrutura física, o trabalho realizado, os investimentos, entre outras características de uma universidade”, explica.
 
Wagner conta, ainda, que essa “mudança de mentalidades” de 45 anos para cá propiciou a Presidente Prudente não somente benefícios no sentido de formação universitária em diversas áreas para a população, mas também uma significativa melhora na economia do município, que sentiu a evolução de maneira direta ao longo dessas décadas.
 
“O que muda em relação a 1972 e 2017 são os tipos de profissionalizações. A maioria delas construída mediante a consolidação do mundo urbano/industrial. São profissões que relacionam os saberes do campo engajados ao universo das cidades. Em 45 anos muitos se formaram e já formaram filhos. A cidade está aí para contar sua história e em muitas famílias de cidadãos prudentinos, acredito que encontraremos formandos, formados e formadores da Unoeste. Penso que sua durabilidade e conquistas perpassam pela missão institucional e a qualidade da formação ofertada, pois na contemporaneidade o que é bom faz história e o que não é bom desaparece neste mundo líquido”, salienta o professor.
 
Ainda de acordo com ele, a evolução do ensino dentro das universidades, com novas metodologias e se utilizando de tecnologias são extremamente importantes para o público acadêmico atual. “O dinamismo é um valor que deve ser respeitado e valorizado no mundo contemporâneo. É exatamente aqui, penso, que a Unoeste faz a diferença. Primeiro, porque uma de suas funções é elevar o saber do dia a dia (o senso comum) ao status científico. Para isso, o de sempre, a mesmice e o passado aparecem oferecendo ferramentas para entender o presente, o novo. Qualquer disciplina que se fundamenta na sua história, em seus pensadores clássicos e que proponha diálogos e leituras com a contemporaneidade vai fazer muito bem esse papel. Não há como evitar a presença de mecanismo da atualidade que só ampliam a possibilidade de construção do saber. Raramente vamos utilizar as antigas enciclopédias para pesquisa, o mecanismo é outro e já faz algum tempo. Vídeos aulas, cursos a distância, etc. são mais e mais formas de se produzir e atualizar conhecimentos”, acredita.
 
Exatamente nesse sentido, a coordenadora do curso de Pedagogia EAD, do Núcleo de Educação a Distância (Nead) da Unoeste e professora do Mestrado em Educação, Dra. Danielle Santos, explica qual a função e a importância das metodologias ativas dentro da universidade. “As teorias de aprendizagem indicam há muito tempo que aprender é apropriar-se das coisas a partir da ação, ou seja, da interação do aprendiz com os objetos, conceitos e com seus pares. Por isso, uma metodologia ativa tem sempre como pressuposto a ação do aprendiz para o desenvolvimento de algo, para a resolução de problemas ou elaboração de projetos. A aula invertida não é em si uma metodologia ativa, mas um elemento disparador para todas as metodologias ativas. Pressupõe que o estudo seja feito em casa e que a sala de aula seja um espaço de interação e resolução de problemas, com apoio do professor, que é especialista nos assuntos e pode criar diferentes dinâmicas para essa resolução, como propor desafios, competições e outras estratégias que envolvem a chamada 'geração touch'”, fala.
 
A professora conta ainda que a nova geração que está chegando à universidade, nascida no século XXI e que se relaciona com o mundo em uma lógica hipertextual, ou seja, procura links para os assuntos e faz mais de uma tarefa ao mesmo tempo, pode encontrar na sala de aula um espaço para aprimorar essa lógica, contando com o apoio de alguém, que é o professor, ou mesmo um grupo de professores, para filtrar as informações presentes na rede e transformar tudo isso em conhecimento. “A Unoeste tem incentivado significativamente o desenvolvimento de metodologias ativas. Os professores da instituição são incentivados a desenvolver práticas com os seus estudantes, ou seja, aprendem a aplicabilidade para o dia a dia. O interessante é que, em cada processo formativo se percebe a evolução das práticas, o compartilhamento das experiências, a troca, e cada um vai aprendendo com a experiência do outro”, revela.
 
Danielle vê na Unoeste uma visão de educação superior extremamente diferenciada e inovadora. Ela acredita que quando se fala dos quatro pilares da educação, é possível se observar cada um deles sendo proposto para a prática, dos quais ela destaca dois específicos: a preocupação com a Educação Inclusiva e o trabalho que vem sendo desenvolvido sobre currículo baseado em competências e habilidades. “O mundo inteiro fala sobre isso e a Unoeste tem feito um trabalho formativo de excelência. Ou seja, os professores são desafiados a pensar desde o planejamento do ensino, sobre aspectos que podem garantir que todos os seus alunos aprendam a ser, fazer, viver e conhecer, independente de suas condições e características. Há uma preocupação com acessibilidade muito grande e os cursos e professores têm procurado aprimorar seus conhecimentos sobre o assunto. Observamos também que o tripé ensino, pesquisa e extensão garante que essa aprendizagem pelos quatro pilares se desenvolva, uma vez que os projetos de pesquisa e extensão são muito articulados com as competências e habilidades formativas e com a temática da Educação Inclusiva”, diz.
 
A busca por inovações nos métodos de ensino e aprendizagem, antes centrada apenas na transmissão, é um dos grandes benefícios das mudanças percebidas de 45 anos para cá. “O acadêmico não precisa vir à universidade para obter informações, uma vez que a rede mundial de computadores já faz isso. O grande salto é gerar na instituição de ensino um espaço de produção de conhecimento, de pessoas que possam desenvolver seus talentos e inteligências múltiplas e que tenham condições de aplicar na prática o que vivenciam em sala de aula. Ou seja, a Unoeste tem gerado uma educação para a complexidade e para o mundo global e a tendência é que nossos estudantes tenham prazer em vivenciar essa aprendizagem cada vez mais, finaliza Danielle.

Centenário de Presidente Prudente



Notícia disponibilizada pela Assessoria de Imprensa da Unoeste


TODAS AS NOTÍCIAS
Alguma mensagem