CAMPUS:
Presidente Prudente Jaú
Telefone 0800 771 5533
Você está em: Notícias

Universidade inclusiva: Sarau em Libras é sucesso de público

6ª edição do evento realizado pela Faclepp/Unoeste foi realizada nesta quinta-feira (24); iniciativa envolveu acadêmicos e comunidade surda


email facebook twitter whatsapp

Foto: Gabriela Oliveira Universidade inclusiva: Sarau em Libras é sucesso de público
Surdo gosta de arte: acadêmicos trouxeram apresentações de poesia e músicas em Libras

“Existem 10 milhões de surdos no Brasil, sendo que só no Estado de São Paulo contabiliza-se 3 milhões. É preciso pensar mais nessa comunidade, estamos em um momento de criar muitas referências para eles e, também de se quebrar paradigmas”. A mensagem é de Leonardo Castilho, surdo, ex-diretor de cultura da Associação de Surdos de São Paulo e educador do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM). O profissional apresentou-se na 6ª edição do Sarau em Libras, promovido nesta quinta-feira (24), pela Faculdade de Artes, Ciências, Letras e Educação (Faclepp) da Unoeste. A iniciativa, que lotou o Teatro César Cava, campus I da instituição, também contou com a parceria da Associação de Surdos e Surdas de Presidente Prudente e região (ASSPP). Apresentou-se também no evento o Grupo Escoteiro Guayporé.
 
Produtor cultural, artista e MC do Slam do Corpo, Castilho diz que foi um prazer imenso participar nesse evento. “Essa postura da Unoeste é muito boa, pois demonstra que ela está sendo uma universidade inclusiva, possibilitando uma aproximação entre as comunidades ouvinte e surda”, diz. Para ele, essa abertura aos surdos, contribui para que eles sejam protagonistas na sociedade “Espero que essa mensagem tenha chegado ao íntimo das pessoas. É maravilhoso constatar o interesse dos acadêmicos pela cultura em Libras, que para nós é muito natural, pois é a nossa língua materna, ou seja, é a forma com que nos comunicamos”.
 
A 6ª edição do Sarau em Libras da Unoeste, contou ainda, com apresentações de teatro, música, poesia e dança. Jovens, adultos e crianças prestigiaram o evento que foi aberto para toda a comunidade. A docente de Libras da Unoeste e coordenadora do evento, Valéria Isaura de Souza, enfatiza que os surdos gostam de qualquer manifestação artística e esse envolvimento com os universitários é muito positivo, além de possuir também caráter multidisciplinar. “Na Faclepp, Libras é uma disciplina obrigatória, já para as graduações de outras áreas é optativa. Mesmo assim, contamos hoje com a participação de acadêmicos de cursos como Medicina e Odontologia”.
 

Valéria conta que, antes do sarau, os universitários participaram de uma seletiva, para a escolha das apresentações que contariam no roteiro do evento. “Inclusive, foram os surdos da ASSPP que ajudaram na seleção das melhores apresentações e, também, auxiliaram nos ensaios com os acadêmicos. Ações como essa, estreitam o relacionamento entre ouvintes e surdos e fazem com que a Unoeste se torne cada dia mais inclusiva”.
 
Os acadêmicos Matheus Guelssi, 23, e Sinara Cruz Silva, 26, participaram da 6ª edição do evento. No 6º termo de Medicina, Guelssi trouxe com os seus amigos do curso e da graduação em Música, a canção “Todos os Loucos do Mundo” de Clarice Falcão. “Acho muito importante saber me comunicar com os surdos por meio de Libras que é a língua materna deles, pois na minha futura atuação eles também poderão ser meus pacientes”. Para Sinara do 5º termo de História, a Língua Brasileira de Sinais (Libras) se mostrou como um universo completamente diferente. Junto com os colegas de sala, cantou e apresentou em Libras a música “Amo o Senhor” de Fernanda Brum. “Como historiadora, falamos muito do que está em torno da sociedade e os surdos fazem parte disso. Me sensibilizei com a história deles e espero ajudar na quebra das barreiras que eles enfrentam no cotidiano”.
 
Flávio Augusto Gonçalves, vice-presidente da ASSPP e integrante da comissão organizadora do sarau expõe que é um prazer ajudar nesse evento. “Gostamos de estar engajados com os ouvintes e é relevante para nós, passar um pouco da nossa cultura aos acadêmicos. Vale destacar que, essa postura da Unoeste em promover esse evento é diferenciada e demonstra a sua preocupação com a inclusão”.
 
Núcleo de Acessibilidade e Inclusão (NAI) – A 6ª edição do Sarau em Libras também contou com uma apresentação do NAI, pela coordenadora Regina Rita Liberati Silingovschi. Na ocasião, ela aproveitou para falar sobre acessibilidade em Libras disponibilizada no site da Unoeste, por meio de um software Hand Talk. “O site da universidade conta agora com o Hugo, carismático intérprete virtual em 3D que faz a tradução dos textos para a língua de sinais”. Sobre a importância desse recurso, Regina explica que a língua materna dos surdos é a Libras, sendo que o português é considerado o seu segundo idioma. “A maior parte dos surdos é alfabetizada em Libras e depende disso para se comunicar. Sendo assim, contar com essa tecnologia pelo site da Unoeste passa a abrir as portas ao seu público de forma inovadora e socialmente responsável”, conclui.
 
Doações – Na entrada do 6º Sarau em Libras, o público entregou um produto de higiene, limpeza ou alimento não perecível. As doações foram repassadas no fim do evento para a Colônia Santa Clara de Presidente Prudente (SP).
 
Melhores momentos – Confira o vídeo com alguns destaques do 6º Sarau em Libras da Faclepp/Unoeste.


Notícia disponibilizada pela Assessoria de Imprensa da Unoeste

Alguma mensagem