CAMPUS:
Telefone 0800 771 5533
Você está em: Notícias

Batata-doce, tomate e morango são foco de grupo de pesquisa

Dentre suas ações, Centro de Estudos em Olericultura e Fruticultura do Oeste Paulista, fundado pela Unoeste, desenvolve projetos de melhoramento genético para as culturas presentes na região


email facebook twitter whatsapp

Foto: Cedida Batata-doce, tomate e morango são foco de grupo de pesquisa
Tomate está entre as culturas com projeto em andamento

Mais uma novidade para o produtor rural de Presidente Prudente e região! Dessa vez, os cursos de graduação e pós em Agronomia da Unoeste fundaram o Centro de Estudos em Olericultura e Fruticultura do Oeste Paulista (Ceofop). O grupo, formado por alunos e docentes da universidade, além de pesquisadores de outras instituições, desenvolve estudos ligados ao melhoramento genético, fisiologia da produção vegetal e à fitotecnia. As culturas de ênfase quanto ao melhoramento genético são batata-doce, tomate e morango.
 
O professor Dr. André Ricardo Zeist está à frente do centro. Segundo ele, a equipe está engajada em estudos relacionados ao melhoramento e à fisiologia da produção de algumas olerícolas e frutíferas. “Esperamos dar suporte ao manejo agronômico e desenvolver cultivares mais bem adaptadas às condições edafoclimáticas do oeste paulista, para diminuir a vulnerabilidade da agricultura da nossa região perante as mudanças climáticas, especialmente frente ao calor e aos déficits hídricos”.
 
Descreve que a intenção principal do Ceofop é contribuir com o desenvolvimento da região por meio de atividades de ensino, pesquisa e extensão. “Esperamos a partir de inovações tecnológicas difundir e fortalecer o cultivo de olerícolas e frutíferas, proporcionando o incremento da produção, o aumento da renda e melhorias na qualidade de vida dos agricultores”.
 
Em contrapartida, os alunos envolvidos têm a chance de aprimorarem o senso crítico. “Mais facilmente eles serão capazes de nortear ações e decisões que visam identificar problemas e buscar por plausíveis soluções. Nesse sentido, os acadêmicos tornam-se mais preparados para ingressar no mercado de trabalho e prosperar profissionalmente”, conclui Zeist.
 
Foto: Cedida Parte dos integrantes do Ceofop
Parte dos integrantes do Ceofop

Heloisa de Souza Voltare, 20, está no 7º termo de Agronomia e integra o Ceofop. De Álvares Machado (SP), ela conta que apesar de residir em uma área urbana, o seu avô materno atua com olerícolas esporadicamente em pequenas áreas. “Espero ampliar o meu conhecimento sobre as olerícolas e frutíferas. Além disso, acho interessante expandir o potencial da agricultura na região com novos materiais, contribuindo para que o material genético se torne adequado para o oeste paulista”, diz.
 
Publicação – Recentemente Zeist foi um dos autores do artigo capa da Revista Horticultura Brasileira, que enfatizou o melhoramento da cultura do Morangueiro. Intitulado “Strawberry breeding in Brazil: current momentum and perspectives”, a pesquisa traz um relato sobre a escassez de cultivares desenvolvidas no Brasil; o impacto que isso causa e os trabalhos que vêm sendo realizados por instituições brasileiras para mudar o cenário atual.

Notícia disponibilizada pela Assessoria de Imprensa da Unoeste

Alguma mensagem