Universidade do Oeste Paulista

Área do Aluno/Professor

Área do
Aluno/Professor

INFORME CORRETAMENTE SEU RA/MATRÍCULA

ENCONTRE SEU CURSO
FAÇA UMA BUSCA NO SITE
10/03/2015

Lei da Guarda Compartilhada gera polêmicas

Assunto foi tema da abertura do 7º Simpósio Jurídico da Unoeste

Foto: Mariana Tavares Lei da Guarda Compartilhada gera polêmicas
Dra. Fabiana Domingues Cardoso, diretora do IBDFAM do Estado de São Paulo, ministrou a palestra
Foto: Mariana Tavares Lei da Guarda Compartilhada gera polêmicas
Atividades no período da noite são realizadas no Salão do Limoeiro, campus II
Foto: Mariana Tavares Lei da Guarda Compartilhada gera polêmicas
Sérgio Ronchi, Fabiana e Paula Fluminhan Rena, coordenadora do IBDFAM regional


A nova lei 13.058, conhecida como Lei da Guarda Compartilhada, está em vigor desde a sua publicação, em 22 de dezembro de 2014, mas gera algumas polêmicas. Para abordar as principais mudanças com as alterações no Código de Direito Civil, a diretora do Instituto Brasileiro de Direito de Família do Estado de São Paulo (IBDFAM), Dra. Fabiana Domingues Cardoso, ministrou a palestra de abertura do 7º Simpósio Jurídico da Unoeste, na noite desta segunda-feira (9), no Salão do Limoeiro, campus II da universidade.

A fundamental mudança, segundo a palestrante, que é professora universitária e advogada na área da família e sucessões, é que a guarda compartilhada agora é presumida legalmente e, de forma geral, veio para retirar a guarda unilateral como praxe. “Guarda compartilhada significa compartilhar decisões. Não quer dizer que a criança ficará fisicamente metade da semana com o pai e a outra metade com a mãe, isso é guarda alternada, ou então se trata de uma regulamentação de convivência”, pontua.

Um exemplo básico do que muda com essa lei, é que quando se tem a guarda compartilhada, para mudar o filho de escola é preciso de consenso entre os pais. “Na unilateral, o guardião decide sozinho. Se o outro não concorda, precisa entrar com uma ação para tentar reverter esse quadro”, explica. Segundo ela, ainda existem interpretações perigosas da lei como, por exemplo, que vem para trazer a modificação da fixação de alimentos [pensão alimentícia], sendo que isso pode ter reflexo em alguns casos, mas trata-se de uma consequência que demanda outra ação processual.

“Um dos objetivos é fazer com que os casais, desde a separação, já tenham a guarda compartilhada dos filhos menores e não a unilateral”. Outro ponto é que a nova lei traz alguns mecanismos eficazes de controle do cuidado do genitor que não é o guardião principal. “Então, por exemplo, permite a prestação de contas dos alimentos, na gestão da pensão alimentícia. Isso não era bem aceito no meio jurídico, e agora tem essa possibilidade na própria legislação”.

Abertura – Além da palestrante, a mesa principal foi composta pelo coordenador da graduação, Sérgio Ronchi; pelos professores Shirley Oliveira Lima Nomura e Rogério José da Silva; além do representante da 29ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Wesley Cotini, e da advogada e coordenadora da IBDFAM regional de Presidente Prudente, Paula Fluminhan Rena, que também ministrou palestra no período da manhã sobre “Famílias Paralelas e Simultâneas”.

Novo Código de Processo Civil – Esse é o tema da palestra de hoje (10), e quem abordará o assunto é o renomado processualista, autor de diversas obras, Dr. Eduardo Arruda Alvim, um dos responsáveis pela redação do novo código.

Notícia disponibilizada pela Assessoria de Imprensa da Unoeste


TODAS AS NOTÍCIAS
Alguma mensagem