CAMPUS:
Presidente Prudente Jaú
Telefone 0800 771 5533
Você está em: Notícias

Convivência no ensino superior é tema de abertura do Enped

Programação do Encontro Pedagógico inclui palestras, oficinas e cursos


email facebook twitter whatsapp

Foto: Mariana Tavares Convivência no ensino superior é tema de abertura do Enped
Abertura do 11º Enped lotou Salão do Limoeiro nessa segunda-feira

O ano letivo na Unoeste tem início no dia 4 de fevereiro, mas a equipe da universidade já começou com os preparativos para receber os mais de 18 mil alunos, entre ingressantes e veteranos. O tradicional Encontro Pedagógico dos Docentes (Enped) marca o retorno das atividades acadêmicas, por meio de uma vasta programação durante esta semana, que além da integração, amplia também o conhecimento dos responsáveis pela formação de milhares de estudantes. 

Na noite dessa segunda-feira (28), o Salão do Limoeiro ficou lotado para a conferência de abertura, que teve como tema “Questões de Convivência no Ensino Superior”. O assunto foi discutido pelas professoras doutoras Luciene Regina Paulino Tognetta, da Unesp, e Telma Peleggi Vinha, da Unicamp. “É um prazer enorme estarmos aqui para falar com os nossos pares, compartilhando um conhecimento urgente da nossa sociedade, principalmente neste momento em que discursos de ódio, discriminação, problemas de intimidação, violências explícitas e implícitas têm sido o cotidiano de nossa realidade”, ressaltou a Dra. Luciene.

A conferencista reforçou a importância do professor no contexto de formação de novas gerações, “porque somos muito mais do que educadores, somos humanos que contribuímos com a formação de outros humanos”. Ela falou sobre o papel da universidade nessa temática e quais os problemas de convivência no meio. Apresentou dados de pesquisas, internacional e nacional, comprovando tratar-se de uma dificuldade global. 

Quanto às principais formas de problemas de convivência, a Dra. Luciene separou em dois grupos: entre pares, que incluí o bullying/cyberbulluing, agressões e trotes; e com autoridades, dentre eles o assédio moral, assédio institucional e agressões. “Precisamos avaliar se aquela nossa conduta, enquanto docente, é método ou desrespeito. Por exemplo, o professor que apresenta para a sala a prova de um aluno que foi muito mal, é método ou desrespeito?”, indagou.

Trata-se de um tema que tem preocupado as universidades, principalmente com o aumento dos índices de suicídio e depressão entre jovens, pontuou a Dra. Telma. “Ficamos encantadas com o tamanho da universidade de vocês, então acredito que em uma instituição deste tamanho, que recebe tantas pessoas diferentes, as questões de convivência são desafios para todos. Mais importante é ter ações preventivas para melhorar a qualidade em sala de aula”.

Nesse processo, a docente destaca a necessidade de entender as características dos jovens de hoje, que são muito diferentes de 10 anos atrás. “As mudanças precisam ser consideradas, porque as soluções que tínhamos não valem mais. Eles estão o tempo todo conectados, muitas vezes, enquanto falamos, eles estão respondendo mensagens no celular. Precisamos entendê-los”, frisou.

Para finalizar, Telma compartilhou com o corpo docente da Unoeste que o seu interesse pelo assunto começou após ela se deparar com problemas sérios que aconteciam na universidade. “O conflito não pode ser resolvido de maneira impulsiva, deve-se planejar esse processo. Estamos preocupados em construir uma convivência cada vez melhor, mas para isso precisamos aprender procedimentos para lidar com questões de incivilidade e indisciplina, tanto institucionalmente como para situações do cotidiano com nossos alunos. Precisamos aprender essas competências, e isso faz da nossa vida e da vida de quem convive conosco muito melhor”, concluiu.
Foto: Mariana Tavares José Eduardo Creste, Darcy Alessi, Guilherme Carapeba, Adilson Guelfi, Luciene, Telma e Carmen Lúcia Dias
José Eduardo Creste, Darcy Alessi, Guilherme Carapeba, Adilson Guelfi, Luciene, Telma e Carmen Lúcia Dias

Bons Resultados – A conferência de abertura da 11ª edição do Enped contou com a participação dos pró-reitores Acadêmico, Dr. José Eduardo Creste; de Pesquisa, Pós e Extensão, Dr. Adilson Eduardo Guelfi; e de Administração, Guilherme de Oliveira Lima Carapeba. Representando todo o corpo docente, os professores Adilson de Oliveira e Ceci Castilho Custódio participaram da mesa principal e manifestaram a alegria em participarem de mais um encontro. “Sou professor da Unoeste há 42 anos e meu coração continua cheio de vontade de crescer”, disse Adilson. “Eu estou na casa há 25 anos, e foram anos muito felizes da minha vida. Vi essa universidade crescer muito e me orgulho disso”, discursou Ceci.

A coordenadora Pedagógica da Unoeste e responsável pela realização do Enped, professora Aparecida Darcy Alessi Delfim, também demonstrou a satisfação em iniciar mais um ano letivo com o encontro. “Digo com orgulho que sou a mais antiga aqui. Estou na Unoeste há 46 anos... Lembro-me do primeiro Enped, quando um professor olhava para o outro e dizia: nossa, você também dá aula aqui?! Então, percebemos que esse momento é valioso. Quero agradecer a presença de todos vocês e desejar um 2019 cheio de sucesso e paz”.

O pró-reitor Acadêmico apresentou uma breve retrospectiva de 2018, destacando as inúmeras conquistas da Unoeste, como os excelentes desempenhos nas avaliações externas; o início do curso de Medicina em Jaú e a construção do campus próprio jauense; além da construção da maior usina fotovoltaica do país, dentro do modelo de geração distribuída até 5 megawatts, instalada no campus II. Ressaltou que a universidade é a 2ª melhor particular do estado de São Paulo e a 7ª do Brasil, segundo o último Índice Geral de Cursos (IGC/MEC). “O momento é de agradecer a todos vocês. Esses resultados são frutos do comprometimento e dedicação de todo o nosso corpo docente e administrativo”, frisou Creste.
 
Premiações – A noite dessa segunda-feira também foi marcada pelas homenagens aos professores que se destacaram em pesquisa e extensão. As entregas foram realizadas pelo pró-reitor, Dr. Adilson Eduardo Guelfi, o qual enalteceu o ano de 2018. “Alcançamos bons resultados que se realizaram com competência, dedicação e profissionalismo de todos os colegas. Por isso, queremos aproveitar o encontro para agradecer professores, que desenvolveram trabalhos e contribuíram para uma Unoeste melhor e mais forte. Por meio desses docentes, queremos que todos se sintam representados”, ressaltou.
 
Conheça os homenageados em cada categoria:
 
Pesquisa Científica – professores doutores Anthony César de Souza Castilho e Fábio Fernando de Araújo.
 
Projeto 5.000 – Dra. Sabrina Alves Lenquiste, do curso de Nutrição, que cadastrou o projeto de pesquisa em iniciação científica de número 5 mil no Sistema Gestor de Pesquisa.
 
Inovação – Dra. Adriana Lima Moro, coordenadora do Centro de Estudos em Ecofisiologia Vegetal do Oeste Paulista (Cevop); Dra. Patricia Alexandra Antunes, coordenadora do Curso de Química; e Maria Eunice Carvalho Tosello, docente do curso de Arquitetura e Urbanismo.
 
Comitês de Avaliação Científica e Ética – Dra. Adriana Falco Brito, docente do Curso de Medicina Veterinária.
 
Extensão e Ação Comunitária – Doutoras Claudia Alvares Calvo Alessi, docente do Curso de Medicina, e Danielle Aparecida do Nascimento dos Santos, coordenadora do curso de Pedagogia, pelo empenho em favor do programa institucional Unoeste Transforma.
 
Internacionalização – Marcela do Carmo Vieira, coordenadora do Curso de Arquitetura e Urbanismo, e Dr. Carlos Sérgio Tiritan, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Agronomia.
 

Notícia disponibilizada pela Assessoria de Imprensa da Unoeste

Alguma mensagem